Como editar um ePub sem descompactá-lo? Comparação de programas

Por 20/07/2011. Categoria: Dicas, Resenhas | 6 comentários

Atualizado em 09/01/2012

Edição de ePUB

O problema

Por ser basicamente um arquivo Zip, o ePub não pode ser editado diretamente pela maioria dos programas de edição de texto. Quando o livro já foi exportado a partir do Indesign ou outro programa semelhante e precisamos editar o conteúdo, como fazemos? Uma das opções é descompactar o arquivo. Parece simples, mas um dos grandes problemas enfrentados para quem produz eBooks no formato ePub é a necessidade de descompactar e recompactar várias vezes o arquivo para visualizá-lo nos diversos eReaders, principalmente na fase de testes, onde não é raro ter de realizar algumas dezenas de operações de compactação no processo de verificar se o livro funciona a contento nos programas leitores. Essa não é exatamente uma operação complexa, existem alguns utilitários específicos para descompactar e compactar o ePub da maneira correta, tanto na plataforma Windows quanto na plataforma Mac. A dificuldade mesmo é realizar essa operação repetidas vezes ao longo dos dias… Haja paciência.

Embora ainda não exista o “programa mágico” da criação de ePub, aquele capaz de realizar todo o trabalho de uma vez só, para qualquer situação e sem causar outros problemas, há alguns aplicativos que permitem editar o código do ePub direta ou indiretamente, sem descompactação. São eles:

oXygen XML Author/Developer

U$349 » multiplataforma (Windows, Linux, Mac e Eclipse)

http://www.oxygenxml.com/

Oxygen XML Editor

Solução completa para edição de XML (uma das principais tecnologias do ePub), é um programa poderoso, porém assustador para quem não tem intimidade com código de forma geral – ou seja, a grande maioria dos designers visuais, autores e diagramadores. Como não é uma ferramenta somente dedicada ao ePub, pode assustar alguns profissionais, pois a interface não é muito “decifrável”, com botões e painéis que não fazem o menor sentido para quem nunca trabalhou com XML ou editou código na vida. Mas se a idéia é simplesmente editar o código do ePub sem descompactar o arquivo, pode ser uma alternativa muito útil, capaz de economizar muitas horas de trabalho extra ao fim do mês.

A versão mais recente tem validação de ePub embutida, o que é uma mão na roda e evita bastante trabalho. O navegador de arquivos dentro do ePub também é muito útil. Outras funcionalidades bem bacanas são a busca e substituição de texto sem descompactar, a comparação de arquivos e a criação de ePubs a partir de modelo pré-existente. Dois pontos negativos: é um programa pesado e o preço não é lá muito convidativo (U$349). Há uma versão de teste de 30 dias disponível, para quem quiser testar.

(UPDATE 05/01/2012: O programa, originalmente chamado OXygenXML Editor, foi separado em três: Editor, Author e Developer. Os dois últimos custam o mesmo, mas a versão Author tem um editor visual. A Developer é mais completa, mas sem o editor visual, possui apenas o editor de código.)

Sigil

Gratuito » multiplataforma (Windows, Linux e Mac)

http://code.google.com/p/sigil/

Sigil

Relativamente fácil de usar, cheio de recursos úteis como validação, fusão de arquivos, limpeza de código, inserção de metadados, criação automática de sumário, esse é um programa totalmente voltado para o ePub que tem tudo para ser “o editor” mas, atualmente, carrega dois um problema grave: impõe uma forma específica de criar a estrutura do ePub, mudando automaticamente a localização ou mesmo apagando arquivos e alterando partes do código sem “pedir licença”, o que pode ser interessante para quem não precisa (ou não quer) se preocupar com esses detalhes, mas acaba causando problemas e torna inviável a edição avançada e mais profissional do código – algo extremamente necessário, considerando a grande quantidade de plataformas, aparelhos e programas nos quais um ePub deve funcionar corretamente. Flexibilidade para fazer o que quiser do arquivo é algo fundamental. Várias solicitações para alterar esse comportamento estão na lista de problemas no site do Sigil, mas ainda sem data específica para implementação . O autor prometeu mudanças nesse sentido.

O segundo problema: o desenvolvedor do programa anunciou que o colocou à disposição para cuidar de outros projetos, o que certamente vai retardar o seu desenvolvimento. (UPDATE 23/07: Um novo desenvolvedor assumiu o projeto).

Como é um programa gratuito e estes são problemas de fácil resolução – prometidos para as próximas versões, vale muito a pena mantê-lo na sua caixa de ferramentas. Na prática, é um excelente programa para criar ePubs rapidamente, mas que acabam exigindo descompatação e edição manual posterior em muitos casos.

Tweak ePub

Tweak ePub

Com interface espartana, esse pequeno utilitário, oferecido pelos criadores do processador de texto Atlantis, permite a edição dos arquivos internos do ePub sem descompactação em um editor de código externo de sua preferência. Bem útil. Não custa nem um centavo e funciona na plataforma Windows. Para pequenas edições é incomparável, mas falta uma interface mais profissional e mais recursos, como, por exemplo, marcar quais os arquivos foram alterados dentro do eBook. Se você trabalha com ePub no Windows, vale a pena conferir.

PDFXML Inspector

PDFXML Inspector

É um aplicativo escrito em Adobe AIR para edição do obscuro formato PDFXML, mas que é capaz de editar ePub sem descompactar. Foi descontinuado pela Adobe por isso não é uma opção muito interessante para uso no dia-a-dia, mas ainda é possível encontrá-lo para download em alguns sites. Não oferece muitas funcionalidades e fica atrás dos demais em quase todos os quesitos, exceto um: é multiplataforma e gratuito. Além disso, não altera o ePub automaticamente, como faz o Sigil. Uma característica suficientemente interessante para mantê-lo no seu HD. Mas se quiser mesmo utilizá-lo, não atualize sua versão do Adobe AIR, senão ele pára de funcionar :o

Springy

U$19,95 » Para macintosh apenas

http://www.springyarchiver.com/

Springy

Não é propriamente um editor de texto, mas sim um utilitário de compactação/descompactação que permite a edição do seu conteúdo (não somente de arquivos ePub, mas também de outros tipos de arquivos compactados, como zip, tar, gzip) sem a necessidade de descompactar antes. Assim, é possível abrir um arquivo XHMTL, por exemplo, no seu editor de texto preferido, alterar e salvar o código. A experiência mostra que é um pouco instável, principalmente se vários arquivos dentro do ePub estão sendo editados simultaneamente, e algumas vezes o aplicativo fecha sem aviso. A exemplo do Tweak ePub, como o código é editado por outro programa, é preciso ficar lembrando em que arquivo do ePub foi feita a alteração, o que é bem contraprodutivo. O próprio desenvolvedor do programa avisou que o programa não foi criado para essa tarefa, então não é recomendado para trabalho crítico com ePub, onde várias edições devem ser feitas simultaneamente.

BBEdit

U$49,99 » para macintosh apenas

http://www.barebones.com/products/bbedit/

BBEdit

Lendário editor para Mac, é um dos melhores programas do mercado para lidar com código. Até pouco tempo atrás, não oferecia tantas vantagens para produção de ePub, assim como outros aplicativos “ilustres” do mesmo gênero, como o Textmate, Notepad++ ou o Coda, mas a recente versão 10 incluiu suporte para edição de arquivos de texto compactados, inédita até então nos programas dessa categoria. Com esse recursos, é possível utilizar os excelentes recursos do BBEdit para editar, buscar, substituir, comparar e salvar o código, como nenhum outro editor, sem abrir o ePub – com exceção do arquivo content.opf, infelizmente. Por exemplo, criar uma tabela em HTML no BBEdit é relativamente simples, algo dificílimo de fazer do Sigil. De todos os programas apresentados, é, sem dúvida, o mais maduro e estável, com os melhores recursos para criar, editar, manter e testar código, mas como não é um programa exclusivo para ePub, faltam diversos outros recursos fundamentais como a validação de código e a preciosa interface criação de metadados, presente no Sigil. No entanto, para quem já trabalha com código e usa Mac, é a opção mais poderosa e flexível.

Até 19 de outubro, a versão 10 deve custar U$39,99 para licensas de um usuário. Após esse período, volta para o valor normal: U$49,9.

Calibre

Gratuito » multiplataforma (Windows, Linux e Mac)

http://calibre-ebook.com/

Janela do comando "tweak ePub" do Calibre

Velho conhecido de quem já se aventurou no processo de conversão de eBooks, o programa tem uma função que permite que se faça alterações no código utilizando um aplicativo externo. Ele descompacta o arquivo para você e oferece a opção de recompactação após a edição. Nos meus testes, o Calibre não alterou o código como o Sigil ao recompactar o arquivo, mas sua eficiência enquanto ferramenta de edição para por aí. O programa não foi criado para manter o controle sobre as edições que permite e acaba sendo mais trabalhoso encontrar o mesmo código depois. Se a idéia é apenas editar o ePub sem descompactar, o utilitário Tweak ePub acaba sendo mais eficiente.

Veredicto

Ainda falta muito – mas muito mesmo – em termos de ferramentas de trabalho eficientes para produção de eBooks em ePub, mas ao menos já temos algumas opções para quem quer evitar o trabalho de recompactação. No momento, a “dobradinha” Sigil + BBedit 10 parece ser a dupla vencedora na plataforma Mac. O primeiro, pode ser utilizado para criação da estrutura básica do ePub, e o segundo, para a edição de código complementar, se necessário. Para Windows, o utilitário Tweak ePub é interessante, mas acaba sendo um “quebra-galho”, carece de recursos, depende de outro programa para ter utilidade e não parece ser um programa com futuro muito promissor. O Sigil acaba ficando mesmo com o primeiro lugar, mas em breve teremos mais uma opção para edição de ePub: o BlueGriffon ePUB edition, a ser lançado em breve, segundo o desenvolvedor.

UPDATE 09/01/2012: A Apple lançou um aplicativo, chamado “Book Proofer” que permite testar um ePub no iBooks sem compactá-lo, simplesmente arrastando a pasta do livro para o aplicativo. É extremamente simples e útil, mas, infelizmente, só está disponível para quem está registrado no iTunesConnect.

Lançado o Adobe Digital Editions 1.8 (preview)

Por 20/07/2011. Categoria: Notícias | 0 comentários

Ícone do ADEUm dos principais programas de leitura de ePub, o Adobe Digital Editions está sendo atualizado para incorporar diversas mudanças estéticas importantes, finalmente. O preview da próxima versão, 1.8, já está disponível para download no site da Adobe. Além da interface mais limpa e do ícone em melhor resolução, foram várias as melhorias:

  • As fontes padrão agora são as excelentes Myriad Pro (sem serifa) e Minion (serifada). A aparência dos eBooks é mais profissional logo de cara;
  • A renderização do texto na tela ficou mais suave e os caracteres estão mais definidos;
  • A hifenização de texto agora é automática. Mais legibilidade e regularidade na mancha de texto;
  • Melhor acessibilidade: o texto agora pode ser lido em voz alta, tanto no Windows (com a ajuda do JAWS) quanto no Mac (Voice Over).

O suporte ao CSS, nesta versão pelo menos, não parece ter avançado muito, ao menos nos meus testes. Propriedades como border-radius, box-shadow ainda não funcionam como acontece no iBooks, por exemplo.

Este lançamento é muito importante para o mundo do eBook, pois a Adobe fornece programas para boa parte do mercado, e isso sinaliza o comprometimento da empresa com o ePub. O próximo passo mais lógico seria a empresa disponibilizar a atualização para o seu Reader Mobile SDK, que é a base de software de aparelhos como o Nook, Kobo, Positivo Alfa, Sony Reader, entre outros. Desde 2009, não há atualização significativa nessa parte importante do software dos eReaders, que precisam acompanhar com mais rapidez a evolução do ePub, que promete uma nova versão para o segundo semestre de 2011 (EPUB3).

Bom lembrar que essa é uma versão preview ainda, várias funcionalidades não estão presentes, como anotações, impressão e o envio de livros para os eReaders, mas é bom saber que a fila está andando :)

Um livro de mil faces » Parte 1

Por 13/07/2011. Categoria: Be-a-Bá do eBook | 2 comentários

Um livro aberto

1. Introdução 2. ePub 3. Apps 4. PDF 5. Kindle

Principais formatos de eBook para os profissionais da área de produção editorial

Até há pouco tempo, era fácil definir um livro: um retângulo relativamente pequeno, formado por várias folhas de papel impressas e unidas por um dos lados, às vezes cobertas com uma sobrecapa. Simples assim. Os métodos e ferramentas  para criar um livro impresso são mais ou menos padronizados. Hoje, com os eBooks, essa tarefa ficou bem mais complicada. São muitos tipos de arquivo, cada um com suas peculiaridades, capazes de confundir até mesmo o bibliófilo digital mais tenaz. Mesmo com a crescente popularização do livro eletrônico, alguns ainda confundem eBooks com dispositivos leitores – na realidade eBook readers ou eReaders. Nada disso, eBooks são arquivos digitais.

Mas quais são os tipos de arquivos mais relevantes? Para os profissionais da área que ainda não entraram nessa “onda digital”, é hora de abrir os horizontes e começar a explorar as possbilidades do digital publishing. Pode parecer um mundo um pouco obscuro e complexo, por isso apresentarei uma série de artigos introduzindo os tipos de livros digitais mais relevantes para quem trabalha com produção de livros, ou mesmo para aqueles autores independentes interessados em criar eles mesmos seus eBooks, sob um ponto de vista mais prático, do projeto e dos métodos de produção, voltado para o mercado editorial, inclusive o brasileiro. Os formatos são:

  • ePub
  • App
  • PDF
  • Kindle

Por que somente estes quatro? Por que são os formatos com maior disponibilidade nas principais livrarias e lojas virtuais, o que significa que são os formatos-alvo utilizados tanto por editoras quanto por autores independentes, nacionais ou internacionais, para publicar seus livros. Assim, muitos tipos alternativos, a princípio, não tem um futuro muito promissor ou muita relevância para quem trabalha na área editorial, por isso os deixei de fora. A Sony, por exemplo, migrou para o ePub, o que praticamente aposentou seus formatos nativos (BBeB/LRF, LRS e LRX). Outro tipo de eBook, o LIT, criado pela Microsoft, foi igualmente abandonado pela desenvolvedora do Windows. Isso não quer dizer que estes tipos menos conhecidos não tenham utilidade nenhuma, só não são muito importantes no contexto profissional, de quem faz isso para viver. A quantidade de conhecimentos necessários para dominar cada um do principais tipos já torna o trabalho suficientemente complexo e é muito provável que alguns demandem a especialização quase que absoluta, como no caso dos livros no formato de aplicativos (eBook Apps). Com exceção de usos muito específicos, ninguém quer perder tempo aprendendo a criar publicações em um formato que quase ninguém lê (ou lerá), mas para o leitor, o usuário final, os melhores formatos são aqueles que seu dispositivo pode ler. Para quem quer conhecer um pouco mais sobre eles, pode achar uma lista bem compreensiva no Wiki do MobileRead.

Ainda assim, é importante lembrar que esse é um mercado em franca expansão e, em muitos aspectos, indefinido. Há uma série de tipos de eBooks promissores, ainda que proprietários e restritos a determinados nichos (dois exemplos são os livros didáticos da Inkling) e o livros “híbridos” da Blio). Talvez algum deles também venha a se torna importante em algum momento.

No próximo artigo, farei uma análise mais aprofundada do primeiro da lista e, por que não, mais importante formato de eBooks: o ePub.